Mountain BikingA prática de bicicleta de montanha consiste num dos desportos radicais que mais entusiasmam os adeptos do ciclismo. No entanto, é essencial garantir a máxima segurança e conforto, para o que conta em muito a escolha do melhor velocípede, que pode representar um investimento financeiro significativo. Para que não cometa erros no momento da compra, tenha em vista os seguintes fatores:

  • Modalidade: Há quatro modalidades principais na BTT (“Cross Country”, “Down Hill”, “Free Ride” e “Dual”) e cada uma requer bicicletas próprias, que dão origem a diferentes desempenhos.
  • Quadro: Aqui, importa perceber qual o material com que é feito o quadro, pois cada um possui as suas vantagens e inconvenientes. Entre os quadros disponíveis para bicicleta de montanha, destacam-se: os quadros em aço, os de alumínio, os quadros em fibra de carbono e os quadros em titânio.
  • Dimensão: A correta escolha de uma bicicleta deve ter com conta as características físicas da pessoa que a vai utilizar, como sejam o seu peso e altura, para que seja possível garantir conforto e segurança, bem como atingir o melhor rendimento.
  • Suspensão: É fundamental escolher uma bicicleta com uma boa suspensão (suspensão dianteira ou dupla suspensão, no caso das bicicletas de montanha rígidas), pois é esta que protege o condutor em percursos mais sinuosos. É igualmente importante fazer-se uma revisão anual do seu estado.
  • Travões: Em qualquer tipo de veículo, os travões são um elemento fulcral. No caso das BTT, grande parte possui travões em V, de discos mecânicos ou hidráulicos, sendo estes últimos os mais recomendados para percursos fora da estrada.
  • Custo: No mercado português, existem bicicletas de BTT com um custo variável entre os 250 euros e os 6000 euros. A melhor bicicleta para a prática é a seja leve, resistente e fiável para qualquer ciclista. Componentes como o quadro, a suspensão e os travões normalmente irão encarecê-la, variando os custos em função da modalidade que o ciclista pretenda.